Pular para o conteúdo

Guarnera Advogados

+55 11 3488-4600   São Paulo
+39 02 4671-2721   Milão

Início » STJ se posiciona sobre tributação na remessa ao exterior

STJ se posiciona sobre tributação na remessa ao exterior

Decisão importante do STJ indica que as remessas realizadas ao exterior para pagamento de serviços e assistência técnica devem ser tributadas com IRRF – Imposto de Renda Retido na Fonte, dispensando a aplicação automática do Art. 7 do Tratado Brasil/Espanha para evitar a dupla tributação.

O modelo OCDE de Tratados para evitar a dupla tributação estabelece em seu art. 7 que o lucro das empresas será tributado somente onde a mesma tem sede. Podemos citar Itália e Espanha, por exemplo, como Países com que o Tratado assinado com Brasil possuem tal previsão.

Com base nisso, contribuintes iniciam ações na justiça tentando classificar a remuneração de serviços e assistência técnica como lucro da empresa no exterior, e assim, afastar a tributação pelo IRRF, que ocorre em casos de pagamento de serviços e assistência técnica ao exterior.

Em julgamento importante, o STJ se posicionou no sentido de que a aplicação do Art. 7º não é automática. Deve ser feita uma análise do contrato que enseja a remessa. Se houver a caracterização de que a remuneração se dá em razão da prestação de serviços ou assistência técnica, deve ser feita a retenção do IRRF.

O Tribunal Regional Federal da 3ª região, instancia inferior, havia considerado que os valores deveriam ser enquadrados como “lucro das empresas” e assim se sujeitar exclusivamente à tributação no exterior (residência), sem a incidência do IRRF.

O STJ, todavia, se posicionou no sentido de que diante das possibilidades existentes no texto do Tratado, é preciso verificar previamente se o caso é de “serviços profissionais independentes” (art. 14, do modelo OCDE) previstos no tratado ou se, embutido no contrato de “prestação de serviços sem transferência de tecnologia”, está o pagamento de “royalties” (art. 12, do modelo OCDE).

Somente após vencidas essas duas etapas é que se poderia verificar o enquadramento residual na condição de “lucros das empresas”. 

A princípio estamos de acordo com esse posicionamento do STJ, já que se trata da aplicação da previsão legal expressa no Tratado e recepcionada pela lei nacional.

Nosso departamento tributário realiza inúmeras consultorias dessa natureza, e de fato trata-se de assunto de fundamental importância e que deve ser avaliado de forma criteriosa pelas empresas que realizam esse tipo de pagamento ao exterior.

Milena Rossin Garrido e Avv. Giacomo Guarnera, sócios da Guarnera Advogados