O Portal de notícias italiano Diritto24 fez uma entrevista com Giacomo Guarnera, advogado e sócio fundador do escritório Guarnera Advogados

Giacomo Guarnera é o fundador do escritório de advocacia internacional ítalo-brasileiro Guarnera Advogados, especializado em investimentos internacionais, operações de M&A, representação e consultoria, para empresas que operam na Itália e no Brasil, contando com um quadro de mais de 40 profissionais especializados em direito corporativo e contratual, litígios, imigração, direito do trabalho, tributação e relação com o Banco Central.

O advogado também é presidente da Itálicos do Brasil, associação que reúne no país aqueles que se reconhecem na cultura italiana, por descendência ou por opção, com o objetivo de destacar a contribuição histórica, social, cultural, econômica e política da Italianidade no Brasil.

Você poderia nos contar sobre sua empresa e o trabalho de 360 ​​graus que está realizando no mercado brasileiro?

Tudo começou há 30 anos, quando me mudei para São Paulo.

Eu já era advogado na Itália, mas, apesar disso, decidi obter a qualificação também aqui no Brasil, estando entre os primeiros a obter o duplo título no país.

Desde o início, percebi a necessidade de unir a visão jurídica à comercial e de ter uma abordagem não apenas de proteção, para garantir os direitos daqueles que desembarcam no mercado brasileiro, mas também mais pragmática, e que desse suporte ao exercício das atividades das empresas, mesmo porque,  a lei brasileira exige que o administrador da empresa seja residente no Brasil e nem todas dispõem de uma pessoa in loco.

Foi assim que, ao lado de uma estrutura essencialmente legal, desenvolvemos desde então uma estrutura de consultoria voltada às questões administrativas, financeiras, contábeis e tributárias, de modo que o cliente, confiado a nós estas tarefas, possa se concentrar no core business do seu negócio.

Atualmente, nossa equipe é composta por 50 profissionais e 6 sócios, cuja principal característica é precisamente a capacidade de trabalhar com habilidades transversais.

Em 30 anos de atividade, assistimos mais de 700 empresários e empresas italianas.

Além disso, decidimos manter uma presença constante na Itália por meio de um escritório de representação, dotado de uma rede de profissionais que nos permite estar sempre próximos de nossos clientes a fim de criar sinergias e oportunidades entre os dois mercados e seus respectivos players.

Quais são os setores em que você opera e com qual abordagem?

Somos especializados principalmente em quatro setores: a cadeia de suprimentos automotivos, que inclui todas as empresas envolvidas na produção de veículos automotores, desde as que produzem matérias-primas, máquinas e ferramentas, até as mais especificamente relacionadas à produção; a cadeia de suprimento de energia, desde produtores de usinas, energia fotovoltaica, eólica ou híbrida até os prestadores de serviços; a cadeia de suprimentos de telecomunicações e, finalmente, as empresas de médio porte de manufaturas italianas, com excelentes produtos e disposição para explorar novos pontos de venda.

Além disso, também desenvolvemos uma boa presença no setor de moda, gastronomia e farmacêutico.

Além da presença histórica da FCA e da TIM no mercado automotivo e de telecomunicações, as operadoras mais importantes do mundo decidiram investir no sistema elétrico brasileiro, com grande necessidade de subempreiteiros qualificados. Para a Itália, por exemplo, existem a ENEL e a TERNA. Mesma oportunidade também se apresenta na privatização de grandes obras, como rodovias, aeroportos e ferrovias, onde existem possibilidades de subcontratação e, nesse sentido, temos vários clientes que confiam em nós como pioneiros no mercado brasileiro.

Independentemente do setor ao qual pertençam, o principal objetivo que estabelecemos é permitir que o cliente chegue ao Brasil com um contrato pronto e que esteja apto a operar em um curto espaço de tempo, com uma estrutura legal e fiscal. No entanto, para reduzir este tempo, já possuímos em nosso portfólio empresas pré-constituídas, das quais somos administradores e parceiros, com contas correntes abertas e operativas. Além disso, mediante nossos serviços de consultoria, também podemos apoiar o cliente em aspectos que não são estritamente formais.

Como é caso da PSC, um dos principais integradores de sistemas italianos da Engineering, Procurement, Construction (EPC), para a qual recentemente prestamos assistência em um contrato com a CELG, empresa do grupo ENEL, com relação ao fornecimento de serviços técnicos e comerciais nas redes de média e baixa voltagem no estado brasileiro de Goiás. Neste caso, juntamente com a assistência jurídica, o cliente também solicitou nosso apoio para a contratação, em um período muito curto, de 300 pessoas em um local a 800 km de São Paulo.

Sempre enfrentando atividades não estritamente formais, outra solicitação recorrente da burocracia brasileira são os responsáveis técnicos de projetos, normalmente engenheiros, para os quais temos uma lista de associados que já operam nos setores e que podem ser ativados em muito pouco tempo. Por fim, nosso escritório está profundamente consolidado no território, onde além de sempre prestar assistência jurídica às embaixadas italianas no Brasil, apoia o estabelecimento de associações locais, beneficentes ou não – entre as quais a Câmara de Comércio Júnior e o GEI (Gruppo Esponenti Italiani), a Comunidade Cenacolo.

Você poderia, com alguns exemplos, aprofundar sua atividade em apoio à italiana no exterior?

Tudo começa com o projeto de Pietro Bassetti  “Svegliamoci italici!” , do qual decido participar e que tornou-se depois uma fonte de inspiração para a criação da associação “Itálicos do Brasil“, a qual,  desde o seu início,  procura reunir as presenças mais expressivas do país, empreendedoras e outras, italianas ou  de origem italiana.

Entre esses personagens, uma bela história é a de Dario Sassi Thober, um engenheiro de origem italiana, que também estudou na Normale di pisa e que, ao retornar ao Brasil, fundou o centro de pesquisa Von Braun Labs.

O centro tem uma capacidade inovadora visionária e mais de 300 patentes em seu portfólio, incluindo o correspondente do Telepass italiano, o “Sem Parar”, que Dario está transformando em uma ferramenta de pagamento e rastreamento para veículos e mercadorias.  

Cabe a nós, por sua vez, a tarefa de apoiá-lo na preservação de suas inovações, seja em termos autorais quanto de lucratividade.

Fonte